Espírito BHR – O Pilar do BH Rugby


O PILAR DO BH RUGBY

Por: Daniel Alejandro Marolla
Edição: Luiz Fernando Moura e Castro

Impa (Jorge Gabriel Imparato) não é apenas o pilar pela sua posição em campo, ele é o pilar da nossa instituição porque, após terem feito os alicerces, apareceu ele para ser a coluna principal da estrutura. Ele é quem está nos treinos, com sol de rachar, com chuva, com frio, com vontade, com preguiça… Ele segurou o time quando parecia que iria acabar, quando os compromissos não deixavam quase ninguém treinar. Ai estava Jorgito, firme, dando o treino, para dois, cinco ou cem atletas, sendo político e mediador nos problemas interpessoais dos integrantes.

Um amante incondicional do Rugby, mais um menino que deu quase uma vida por este esporte. Um privilegiado, pois ganhou plena confiança, respeito, admiração e a amizade de todos. Admirado em qualquer campo e respeitado por todos os adversários… Um touro na hora de levar o time para frente, um doido na hora de brincar, e um Amigo (com A maiúsculo) na hora de te levantar do chão.

Final de um treino no 12ºBI

a

Imparato é um menino gigante, com um coração incansável, com uma paixão pelo próximo que nem ele conhece, um homem que com sua entrega, deixa todos desconcertados, ninguém compreende como alguém pode dar tanto por nada. Mas tudo isso que o mundo enxergar como nada, é muito para quem foi criado, pela graça de Deus, dentro de uma cultura que valoriza a amizade, o trabalho em grupo, o trabalho social e a paixão por se sentir parte de um sonho comum…

Este é o Head-Coach, companheiro e amigo do Belo Horizonte Rugby.

A que idade você começou a jogar Rugby?

Aos nove anos, no S.I.T.A.S., no Palomar, Província de Buenos Aires.

Jorge no S.I.T.A.S


Como você chegou a Belo Horizonte?

Minha esposa é daqui, eu a conheci em Porto Seguro, BA e vim atrás dela.

E no BH Rugby…? Como você ficou sabendo da sua existência?

Embora ninguém acredite, foi pela Internet… (risos) Era a Copa do Mundo de 2003, eu nem sabia que existia Rugby no Brasil, escutava mensagens de pessoas nas transmissões, ai comecei a pesquisar na Internet e achei o BH Rugby e comecei em 2004. O primeiro contato foi com Igor Konovaloff pelo telefone, e quando cheguei no treino me recebeu Manuel Schiaffino, que era o treinador.

No S.I.T.A.S. o Sr. foi só jogador?

Não, não, também fui treinador lá… a partir dos 15 anos até os 23 aproximadamente. Aos 15 anos treinava meninos de 13 anos. No clube estavam precisando demais de treinadores, e eu me coloquei a disposição sem problemas. Não lembro muito bem, acho que eu era da 4ª divisão e eles eram tipo 7ª.

Treinador das categorias de base de S.I.T.A.S. (segundo em pé da esquerda)

a

Que satisfações te deu o Rugby pelo S.I.T.A.S.?

Várias coisas… Títulos, milhões de amigos e me formar como homem. Como treinador consegui devolver o que o clube tinha me ensinado.

Conta pra nós o que significa Rugby para o Sr.?

É um estilo de vida… simplesmente isso. É o que aprendi desde moleque, são os fundamentos que utilizei sempre na vida, e acho que sempre me dei bem, alguma que outra escorregada, normal, como todo mundo (risos)… mas, em geral, sempre me dei muito bem com esses fundamentos, e para mim é isso mesmo, um estilo de vida.

Defina um pouco o que é o “Espirito do Rugby”.

Companheirismo, respeito, e só isso… O resto é um jogo, e jogo é como qualquer outro. O que te ensinam é a ser amigo, a respeitar ao adversário, ao árbitro… Tudo, tudo o que envolve o jogo. Pra mim a base é o companheirismo e o respeito.

Primeira conquista de um lugar na elite do Rugby brasileiro – Salvador 13/10/2007

a

E o que te deu o BH Rugby?

Até agora nenhum tostão… (risos) Não! A oportunidade de voltar a praticar o esporte que já tinha largado… E me sentir legal, num país que não é o meu. Após também conseguimos títulos, um milhão e meio de amigos novos, os quais não tinha aqui, e pelo meu jeito de ser com certeza não teria conseguido em outro lugar. Só isso!

Como o head-coach do BH Rugby, e como o pilar desta instituição, o que você recomenda aos moleques que vêm chegando?!

Que para jogar, tem que se sacrificar muito, e tem que estar em todos os treinos, que é o que eu aprendi, e por isto é o que predico. E para algum dia me poder substituir, tem que correr muito atrás…


a

Como podemos ler na suas palavras, este homem, se coloca dentro do Rugby como um amigo, simplesmente isso, amizade e respeito, é isso o que aprendeu desde menino, e amizade e respeito é o que prega. Sua, alegria, às vezes incompreendida, o torna um líder diferente, brincalhão, sorridente, um educador incansável. Embora tenha um gesto durão, mede cada milímetro das palavras para não ferir ninguém, e para manter a harmonia do grupo. Muito serio na hora de trabalhar e o primeiro na hora de brincar, é um amigo incondicional.

Imparato nasceu em Buenos Aires, se criou dentro do clube S.I.T.A.S., mas hoje é por nós considerado, cidadão honorável da nação beagarugbense.

Depoimentos:

“Jorge é uma das minhas referências no Rugby. Sempre divertido e brincalhão, mas muito sério, dedicado e exigente quando necessário. Admiro isso em uma pessoa, em ter o comportamento certo nas horas certas, comportamento de um “rugbier” que o Jorge transmitiu e certamente transmite para todos. A sinceridade é marca registrada dele: quando era preciso chamar a minha atenção propriamente, me chamava e falava o que precisava ser falado. Sabia dos limites de cada atleta, sabia até onde podia contar com ele e exigia este limite. Um ótimo líder e exemplo para todos como pai, profissional e “rugbier”. Dentro do campo, Jorge é de poucas palavras. Diz apenas o necessário, sem se esquecer do respeito e compromisso para com os seus companheiros e adversários.
Obrigado, Jorge.”

Virgílio “Jaú” Franceschi

Gerente de Comunicação CBRu

a

Jorge e Ariel, treinador do time feminino do BH Rugby (Foto Maíra Vieira)

a

“Jorge, aos poucos, mas muito rápido passou de ser meu treinador de Rugby a grande Amigo. Em pouco tempo já confiava a mim uma posição na “familia”. Hoje já não sei o que é Rugby sem ele e muito menos amizade sem pensar no “gordito”. Com certeza ele é, não só no Rugby, mas pra qualquer situação, um segundo Pai para mim.”

Bernardo “Palhaço” Faccion

Atleta BH Rugby

a

“O Jorge foi o meu segundo treinador no clube, com ele aprendi muito, aprendi não só minha base técnica, como sobre o espírito do rugby: disciplina, respeito, confiança, amizade e tantas outras coisas. Quando eu achava que não dava conta, ele tava lá para me mostrar que eu podia muito mais do que imaginava. Acho que foi graças a ele e ao rugby que muitas coisas mudaram na minha vida, para melhor. Por isso, mesmo alguns anos depois de ele deixar de ser meu treinador, eu ainda considero a palavra dele inquestionável, se ele mandar eu pular em um buraco escuro, eu faço. – só para dar uma idéia do tanto que eu confio nele! Obrigada pelos ensinamentos e pelas risadas de sempre.”

Rita Carvalho

Atleta BH Rugby

a

* Banner por Kwan 3497-8555

.

EM by Alessandro Travassos | BH Rugby

comentários